Esta é a aposta dos caminhoneiros que ameaçam parar em fevereiro de 2016, caso o governo não cumpra os pontos do acordo realizado no início deste ano.

Segundo matéria veiculada pelo Canal Rural, o alerta foi dado nesta quarta-feira, 9, quando o Fórum Permanente para o Transporte Rodoviário de Cargas se reuniu com o ministro dos Transportes, Antonio Carlos Rodrigues, em Brasília.

Durante o encontro, a entidade da categoria entregou uma pauta de reivindicações sobre pedágios, dívidas e medida provisória, principalmente, no que diz respeito à cobrança de multas por participação em manifestações.

Entre as outras reivindicações, Miguel Mendes, diretor-executivo da Associação dos Transportadores de Cargas, destacou ainda os itens abaixo como pontos decisivos para a nova paralisação:

  • Refinanciamento das dívidas autorizado pelo BNDES;
  • Cobrança do eixo suspenso nos pedágios (há rodovias que cobram de caminhões que trafegam vazios). Concessionárias de rodovias estaduais, principalmente em Mato Grosso, Paraná e São Paulo, seguem cobrando o pedágio de caminhões que trafegam vazios.

Qual sua opinião sobre este tema? Deixe nos comentários.

Fonte: Canal Rural

  • fabio b prado

    É uma vergonha esses contratos de rovias estaduais pedagiadas, quem ganham são eles!!! se abrirem a caixa preta desses contratos a Policia Federal vai prender muita gente.

  • Pingback: RETROSPECTIVA: 2015, ano de paralisações | Portal O Carreteiro()

  • CARLOS BENEDITO DOS SANTOS

    Neste Brasil qualquer um pode realizar manifestações, SEM TERRA, SEM TETO, TRIBOS INDIGENAS, entre outros, mas a classe que transporta tudo que este pais produz de norte a sul, leste a oeste, não pode reivindicar, melhores preços pagos pelos fretes ou desoneração no diesel ou pedágios, para compensar os baixos valores dos fretes. A minha sugestão é que os pedágios para caminhões fosse cobrados apenas em um único sentido, como era no passado nas rodovias Castelo Branco e Bandeirantes.