Em 2015, a Revista O Carreteiro completou 45 anos de circulação e para comemorar a data, a edição 491, que circulou em setembro, trouxe matérias especiais que mostraram a evolução do setor de transporte rodoviário de cargas nesse período. Confira alguns destaques da edição de aniversário:

1. Década de 70

Se na década de 70 o caminhão era tido apenas como um veículo para movimentar carga, sem compromisso com a performance operacional, nos anos seguintes o jeito de transportar começou a tomar outras formas, pois a própria evolução do segmento de transporte rodoviário de carga já buscava um caminho mais especializado para a atividade. Veja matéria na íntegra.

2. Períodos difíceis, decepções, alegrias

Durante a jornada de 45 anos pelas estradas junto aos motoristas de caminhão por rodovias boas e ruins, a Revista O Carreteiro enfrentou períodos difíceis, decepções, alegrias e acompanhou as mudanças do setor do transporte rodoviário de cargas. Presença constante nas cabines, mãos e bolsos dos estradeiros, a publicação esteve sempre presente e procurou destacar informações de interesse da categoria, conforme lembram profissionais mais antigos no trecho. Veja matéria na íntegra.

3. Diversas transformações

Nos últimos 45 anos o setor de transporte rodoviário de carga passou por diversas transformações. A extensão da malha rodoviária cresceu, a tecnologia embarcada foi incorporada aos caminhões, transportadores passaram a utilizar sistemas de rastreamento, monitoramento e telemetria para inibir o roubo de carga, melhorar a logística e tornar o negócio mais eficiente e rentável. A carta frete chegou ao fim e exigências como o Registro Nacional do Transportador Terrestre (RNTRC), cursos e treinamentos abriram espaço para a formalização e profissionalização do setor. Veja matéria na íntegra.

4. País dos caminhões

Entre 1970 e 1975, o volume de carga transportada por rodovias no País saltou de 124,5 para 204,8 bilhões de toneladas/ano, sinalizando que havia espaço para a expansão da indústria de caminhões. Naquela época, os fabricantes de caminhões instalados no Brasil eram a Chrysler (Dodge), Alfa Romeo, que fabricava os FNMs e em 1976 foi incorporada pela Fiat, Ford, General Motors, fabricante dos caminhões Chevrolet (depois GMC), Mercedes-Benz e Scania. Veja matéria na íntegra