Se você analisar com cuidado a tabela de Viagem deste teste vai verificar que a velocidade média do caminhão foi bastante baixa. Ele levou 8 horas e 20 minutos para percorrer os 367 km do nosso percurso de teste. Só para você ter uma comparação, podemos lembrar que o Scania L111S, testado pela Revista O Carreteiro e publicado na edição nº77 (setembro), levou 6 horas e 42 minutos para fazer o mesmo percurso, ou seja, 1 hora e 38 minutos a menos do que o 101. A velocidade média do 101 foi de 44km/h, enquanto que a do L111S foi de 54km/h.

Na verdade, o L111 S não andou muito depressa, o 101 é que foi muito lento. Acontece que o 101 testado por nós estava equipado com um tipo de diferencial muito curto, que é equipamento opcional de fábrica, e cuja relação é de 5,83:1. O diferencial que equipa normalmente esse caminhão é o 4,38:1, bem mais longo que o opcional usado em nosso teste.

Só para você ter uma ideia, o diferencial opcional 5,83:1 faz com que a 2.200 rpm, com a quinta marcha engatada, esse caminhão atinja sua velocidade máxima de 75km/h. Já com o diferencial normal (bem mais longo)-com a mesma marcha engatada e na mesma rotação – o 101 atingiria sua velocidade máxima 99km/h.

CONSUMO IDEAL

Dessa forma, para obter o consumo ideal de combustível desse caminhão, fomos obrigados a rodar com ele, em velocidades menores do que as usuais (basta lembrar que a sua velocidade média, nos 367 km do teste, foi de apenas 44km/h).

Rodando dessa maneira, nós obtivemos o consumo médio de 2,35 km/h. É evidente que, se ele estivesse com diferencial mais longo nós conseguiríamos obter aproximadamente o mesmo consumo, porém rodando em velocidade médias maiores.

Para analisar melhor o consumo e desempenho do 101 é preciso lembrar que ele estava equipado com um câmbio simples, de apenas cinco marchas (normalmente quando se fala em caminhão Scania, todo mundo associa a ele a ideia de um câmbio de dez marchas). Com um câmbio de apenas cinco marchas muito pouco se pode fazer para melhorar consumo e desempenho de um caminhão pesado.

CONFORTO

O conforto na cabine do L101 é bastante reduzido. O banco regulável só pode fazer parte do caminhão se você resolver pagar mais por ele, pois trata-se de um equipamento opcional.

No nosso entender é praticamente impossível dirigir esse caminhão com um mínimo de conforto sem o banco regulável. Também é muito difícil dirigir o L101 sem direção hidráulica, equipamento que é considerado como opcional pela fábrica. Da mesma forma que no teste do L111S, nós observamos que a visibilidade para frente fica muito prejudicada nesse caminhão porque seu para brisas é muito pequeno e, além disso, o cofre do motor é muito comprido, ocupando espaço de visão.

O motor do 101, conhecido na estrada como “Maçarico”, é o mesmo do L111S, sem a turbina. Daí o apelido “Maçarico” (sem a turbina o motor solta eventualmente nas subidas mais fortes).

Foto: Luiz Bartolomais Júnior