A partir de meados dos anos 90, os transportadores de carga brasileiros começaram a dar maior preferência aos caminhões com cabine avançada em todas as categorias de peso, devido ao fato oferecerem maior espaço para a plataforma de carga e poderem, portanto, carregar mais por viagem.

Por conta dessa mudança, não demorou para que as montadoras começassem a tirar da linha de produção os modelos conhecidos como “bicudos”, dando lugar aos “cara-chatas”.

A Mercedes-Benz também seguiu a regra do mercado, porém manteve em produção um modelo campeão de vendas, o L 1620.

atron 2324 banco
Banco do motorista tem amortecimento hidráulico.

O modelo foi mantido em linha com a mesma denominação até o final de 2011, na versão Euro 3, mas com a chegada da família Euro 5, em janeiro de 2012, com veículos mais modernos e eficientes, o tradicional semipesado com capô sobre o motor ressurgiu como Atron 2324 (com 3º eixo de fábrica), para a surpresa de muita gente do mercado que esperava que a Mercedes-Benz fosse aposentar o seu semipesado com cabine convencional.

As mudanças que deram uma nova cara ao veículo – e o deixaram com ar mais parrudo e moderno – foram muito além do nome. A grade frontal com aletas mais largas, e a estrela em maior tamanho, os faróis, parachoque e retrovisores redesenhados contribuíram para dar um ar de modernidade ao veículo, que recentemente teve a produção descontinuada.

O motor é uma unidade OM 926 que gera 238 cv de potência e período de troca de óleo a cada 75 mil quilômetros rodados

Porém, a principal novidade foi a substituição do motor OM 906 LA de 6 cilindros em linha e 231 cv de potência por uma unidade OM 926 LA, com a mesma litragem e 238cv a 2.200 rpm. Como os propulsores Euro 5, de todos os fabricantes de caminhões, o do Atron também é mais potente, econômico e oferece maior período para a troca de lubrificante, pois passou de 45 para 75 mil quilômetros utilizando com óleo mineral. Ainda de acordo com informações da fábrica, esse motor pode rodar até um milhão de quilômetros sem ser aberto.

Na condição de sucessor do L 1620, cuja cabine é de 1987, o Atron 2324 ganhou 3% de potência, 4% de torque e 13% a mais de cilindradas, porque para atender à legislação Euro 5 (Proconve P-7 no Brasil), os engenheiros da Mercedes-Benz tiveram de fazer alterações na câmara de combustão e pistões, entre outros componentes. No mais, o eixo traseiro (com a mesma coroa e pinhão) e a caixa de transmissão de 6 marchas sincronizadas são os mesmos componentes do L 1620. O entreeixos de 5.170mm também foi mantido.

Para sentir a performance do Atron 2324, a equipe da Revista O Carreteiro rodou com uma unidade cedida pela Mercedes-Benz, com baú carregado no limite legal chegando ao PBT de 22 toneladas. Cabe lembrar que devido à cabine convencional, o eixo dianteiro tem capacidade para cinco toneladas.

As diversas mudanças no interior da cabine deram resultado positivo para deixar o veículo dentro do padrão dos demais caminhões da marca. O novo volante, por exemplo, com quatro raios, ganhou melhor empunhadura, o banco do motorista tem amortecimento hidráulico e o painel de instrumentos passou a incorporar detalhes importantes, sendo
um deles o consumo instantâneo de combustível, além de outras informações
graças ao computador de bordo.

A facilidade para engatar as marchas e colocar o veículo em movimento é outro ponto positivo. A força do motor, mais do que suficiente para o PBT do veículo, é é perceptível logo nos primeiros metros percorridos. Projetado para operar na faixa econômica de 1.200 a 1.600 rpm, o propulsor tem torque que possibilita a condução com poucas trocas de marchas.

Na estrada, o trem de força bem dimensionado para o veículo revela porque seu antecessor fez tanto sucesso entre os transportadores em operações de transporte de cargas variadas, em trechos de curtas e médias distâncias e também em rotas urbanas.
E só para encerrar, itens como molas parabólicas no eixo dianteiro, baixo nível de ruído, o bom diâmetro do volante de direção e a facilidade de condução o mantêm como um caminhão com potencial para permanecer por muito tempo ainda no segmento de semipesados, apesar da maior preferência pelos cabine-avançada.

Confira a Ficha Técnica:

MOTOR MB OM 926 LA – 7,2 litros  Proconve P-7
Potência Máxima 238cv a 1.200 rpm
Torque Máximo. 86,7 mkgf – 1.200 – 1.600 rpm
TRANSMISSÃO MB g 85-6 (Manual)
Nº de marchas -Relações primeira/última 6|6,70/0,73
Embreagem Monodisco, diâmetro 395mm
EIXO TRASEIRO MB HL 5 NR4
Relações de eixo traseiro i=4,88/6,84 (39:8)
Opcional i=5,63/7,89 (45:8)
FREIOS Ar comprimido, ABS
Tipo. Tambor
Freio de estacionamento pneumaticamente Câmara de mola acumuladora acionada
Freio Motor Convencional + Top Brake
CHASSI. Escada, rebitado – material LNE 50
Suspensão dianteira Molas parabólicas com amortecedores telescópicos de dupla  ação e barra estabilizadora
Suspensão traseira Tipo Balancim com molas trapezoidais e suspensor pneumático do 3º eixo
Rodas 7.50×22.5            7.50×20                      7.50×22.5
Pneus 275/80R22.5     10.00R20PR16         11.00R22.5PR16
Tanque de combustível 210 litros  ou  300 litros (opcional)
Tanque de Arla 32 35 litros
SISTEMA ELÉTRICO  
Tensão Nominal |Bateria 24 V (2X12)/100Ah
Alternador 28 V/80ª
DIMENSÕES (MM)
Modelo 2324/51
Distância entre eixos 5.170+1.360
Comprimento total 10.282
Largura 2.428
Altura descarregado 2.743
Bitola eixo dianteiro/eixo traseiro 1.969/1822
Balanço Dianteiro/traseiro 1.332/2.420
Ângulo de entrada (carregado com spoiler) 15º16’
Ângulo de saída (carregado) 17º39’
Altura teto da cabine ao chassi 1.825
Distância mínima do centro do eixo à carroçaria 1.430
Circulo de viragem de parede a parede 21.500
PESOS
Eixo dianteiro             3.230 Pesos admissíveis (legal)    5.000  /Técnico    5.000
Eixos traseiros            3.420 Pesos admissíveis (legal   17.000/ Técnico  18.000
Total.………………………… 6.650 PBT (legal)   22.000/ Técnico   23.000
Carga útil máxima mais carroçaria (legal)   15.350/Técnico 16.350

 

João Geraldo, editor da Revista O Carreteiro, apresenta detalhes deste bicudo. Assista!

 

Texto João Geraldo
Fotos Alexandre Andrade