O Grupo Daimler avança no desenvolvimento e produção de caminhões e ônibus movidos a energia elétrica. Esta solução alternativa ao diesel de petróleo se destaca em ônibus Mercedes-Benz da linha Citaro na Europa, em ônibus escolares da Thomas Built Buses nos EUA e nos caminhões leves FUSO eCanter nos EUA, Europa e Japão.

No caso da linha Citaro, a Mercedes-Benz iniciará a produção em série do ônibus urbano com sistema de propulsão totalmente elétrico.”Esse nosso ônibus produz zero emissões e é silencioso na cidade. Os engenheiros estão realizando atualmente testes detalhados sob as mais severas condições. O conceito técnico, que envolve um sistema modular para alimentação de energia e o gerenciamento térmico otimizado, já deixa claro: o Citaro com propulsão elétrica por bateria vai estabelecer um novo marco de progresso”, afirma Hartmut Schick, CEO da Daimler Buses.

Há poucos meses, a Mercedes-Benz celebrou a produção do 50.000º Citaro. Logo atrás do Citaro híbrido, introduzido também recentemente, com sistema de acionamento a diesel ou a gasolina, vem o próximo passo, o Citaro totalmente elétrico, que recebe sua energia de acionamento de baterias de lítio-íon

Além da possibilidade de carregá-lo em uma tomada elétrica na garagem, a Mercedes-Benz também pode fornecer, como opção, o Citaro com uma das soluções intermediárias de recarga. Neste caso, o veículo é alimentado por motores elétricos no cubo de roda do eixo traseiro, sistema já comprovado nos últimos anos no Citaro G BlueTec Hybrid.

Uma das características marcantes do Citaro com propulsão totalmente elétrica é o gerenciamento térmico refinado dos sistemas de acionamento e controle de temperatura do ônibus. Essa solução reduz significativamente o consumo de energia, aumentando a autonomia do veículo sem mudar o tamanho da bateria.

Atualmente, o Citaro elétrico está sendo submetido a uma série de ensaios e testes realizados por todos os ônibus da Mercedes-Benz e fará sua estreia mundial no salão internacional de veículos comerciais IAA 2018 em Hannover, na Alemanha.

Já a  Thomas Built Buses – fabricante de ônibus escolares na América do Norte e subsidiária da Daimler Trucks North America (DTNA), com sede em High Point, Carolina do Norte, EUA – realizou, em novembro, a estreia do ônibus elétrico escolar Saf-T-Liner C2. Chamado de Jouley, esta é a primeira geração de um elétrico da marca com produção em série.

A versão elétrica opera de forma silenciosa, produz zero emissões e tem força de sobra. Assim, os estudantes poderão recarregar seus computadores e outros dispositivos diretamente no próprio veículo.

A primeira geração do ônibus elétrico Saf-T-Liner C2 vem equipada com o trem de força PowerDrive™ 7000ev produzido pela Efficient Drivetrains, Inc. (“EDI”), que fornece energia de bateria de 100-160 kWh, uma base de autonomia de 100 milhas e uma autonomia de operação de até 100 milhas entre cargas, além da opção de uma autonomia ainda maior com conjuntos adicionais de bateria. Destacam-se ainda o software de controle do veículo PowerSuite™ e o sistema de telemática e diagnóstico PowerTracker™, que rastreia a localização do ônibus e fornece monitoramento em tempo real.

A empresa destaca ainda o FUSO e-Canter , caminhão elétrico produzido em série no mundo. O veículo será entregue aos clientes, a partir deste ano, nos EUA, Europa e Japão. Esta é a 3ª geração do veículo, que fez sua estreia no IAA de 2016. Em 2010, o eCanter foi o primeiro caminhão leve do mundo com propulsão puramente elétrica.

O novo eCanter é equipado com um motor elétrico de 185 kW de potência. Sua bateria tem capacidade de 70 kW por hora. Assim, dependendo da carroceria, carga e tipo de aplicação, uma autonomia de mais de 100 km é possível sem recarga com o veículo parado. Extensivos testes junto a clientes com a 2ª geração demonstraram que sua autonomia é suficiente para o uso diário de um caminhão leve.

As possibilidades de carga na bateria também são personalizadas: 80% da capacidade com uma hora de corrente contínua numa estação de carga rápida ou, alternativamente, 100% de carga com corrente alternada em sete horas. No futuro, a carga rápida será possível com 170 kW. Assim, 80% da capacidade da bateria será obtida em somente meia hora.