Constantemente, quando publicamos reportagens sobre os caminhões bicudos no Brasil, os motoristas costumam indagar as razões desses caminhões, com exceção do Mercedes-Benz Atron 1635, não serem mais fabricados no país. Os bicudos, que são padrão em mercados como os Estados Unidos, são maiores e mais confortáveis para os motoristas e, agora, uma iniciativa popular deu o primeiro passo para o retorno deles ao mercado brasileiro.

Hoje, a legislação brasileira considera o tamanho das composições acrescidas ao cavalo mecânico. Ou seja, a Lei da Balança estabelece que as composições tenham no máximo 19,8 m (bitrem) e acima de 24 m (rodotrem). Logo, as opção cara chata têm vantagens por serem mais curtas, mas puxam composições maiores, se tornando uma opção mais vendável por parte das fabricantes.

É justamente neste ponto que a ideia legislativa foca. Proposta por um cidadão do país, a ideia tramita no Senado para limitar apenas o semireboque, e não a unidade tratora, tornando novamente vantajosa as opções bicudas para as fabricantes e ampliando o conforto para os motoristas no trecho.

Para começar a ser debatida pelo Congresso Nacional, a ideia legislativa precisa do apoio de 20 mil cidadãos, que podem registrar seu voto online. A data limite para obtenção do número mínimo necessário é 28/10/2017. Por tanto, se você é a contra ou a favor da proposta, participe clicando aqui.