Simea discute em São Paulo tecnologias da indústria automobilística ancoradas no tema Tendências Tecnológicas no Transporte

José E. Parro, presidente da Associação Brasileira de Engenharia Automotiva (AEA), abriu ontem (02/10) de manhã a 15ª edição do Simea (Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva), no centro de Convenções Milenium, na capital paulista. Em seguida, Jackson Schneider, presidente da Anfavea, disse que a engenharia nacional se antecipou aos problemas e criou a tecnologia flexfuel, ao ponto de vender serviços para a engenharia mundial. Ali El Hage, do departamento de Tecnologia do Sindipeças, destacou a sinergia entre as entidades e o crescimento para que a engenharia nacional continue forte. Antonio Carlos Fiola, presidente do Sindirepa-SP, ressaltou que a malha rodoviária em São Paulo é favorável ao transporte, mas que a falta de manutenção nos veículos pesados prejudica o meio ambiente. Marcos Alberto C. Bruno, assessor da Secretaria do Desenvolvimento do Estado de São Paulo, comentou que a missão do governo é fazer políticas associadas ao desenvolvimento tecnológico para todo Estado de São Paulo. Paulo Sérgio Bedran, diretor do depto. da Indústria de Equipamentos de Transportes da Secretaria do Desenvolvimento da Produção, que representou o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, finalizou a abertura do evento almejando a continuidade de crescimento da engenharia nacional de maneira integrada.

Com relação à competitividade internacional no setor automobilístico, o presidente da Anfavea explicou que não há preocupação da indústria nacional quanto ao mercado interno, mas aos mercados externos. \”No caso da China, que tem câmbio artificial favorável às exportações, a ameaça é em relação aos mercados para qual exportamos. Entretanto, em relação ao mercado doméstico, não há tanta preocupação, devido o brasileiro ter uma relação muito forte com a marca\”. Schneider complementou que há poucos dias o Brasil assumiu uma cadeira no conselho diretor da Oica (Associação Internacional dos Construtores de Automóveis), pelas competências da engenharia nacional, além de ser o 8º produtor mundial e 11º exportador do segmento.

Posteriormente, foi realizada a palestra \”Tecnologia dos Veículos Leves no Brasil\”, ministrada por Pedro Manuchakian, vice-presidente de Engenharia da General Motor do Brasil. Durante a apresentação, e com ajuda de um telão com exposição de gráficos, o executivo destacou as propriedades dos cintos de segurança, air bags, air bags de cortina para colisões em caso de capotamento, combustíveis alternativos, consumo e emissões de motores, tecnologias de conforto dos ocupantes do veículo, de informação e entretenimento, além de rádios e Cds com conectividade Bluetooth. \”É obrigatório para a indústria diminuir o impacto no ocupante em caso de colisão, porém o air bag não é a única solução. Por isso, cada fabricante terá seu próprio modo de trabalhar nos veículos\”, disse se referindo a outros sistemas de redução de impacto nos automóveis, como células de sobrevivência e deformação gradativa, por exemplo.

A palestra Tecnologia dos Veículos Pesados no Brasil foi apresentada por Mauro Ekman Simões, gerente executivo Concepts & Especial Vehicles, da Volkswagen Caminhões e Ônibus. Ekman falou sobre a evolução tecnologia da montadora e fornecedores, pois em 1981 a marca dispunha de dois modelos e atualmente são 42 configurações de caminhões. Também abordou aspectos da redução de emissões sonoras, de óxido nitroso e material particulado, evolução de design por meio da utilização de softwares, da ferramenta QFD para customizar a aplicação do produto ao cliente, rodovias não pavimentadas, testes da Anfavea com sebo bovino para desenvolvimento do B20 ( 20% de biodiesel adicionado ao diesel comum), entre outros temas. Na visão dele, existem poluentes ainda mais nocivos que o CO2 (dióxido de carbono) e para se chegar ao B20 não existe uma redução efetiva desse gás sem um custo aceitável.

Paralelamente ao evento é realizada uma mini-exposição de tecnologias da Bosch, Cummins, Delphi, Ford, General Motors, Magneti Marelli, Mercedes-Benz, BR Petrobras, Renault, Saint-Gobain Sekurit, Scania, Toyota e Volkswagen Caminhões e Ônibus. O Simea 2007 se estende até quinta-feira (04/10) e mais informações acesse (www.simea.org.br).

Por Magno Pereira

Sigla das entidades:

Anfavea – Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores
Sindipeças – Sindicato Nacional para Indústria de Componentes para Veículos Automotores
Sindirepa – Sindicato da Indústria de Reparação de Veículos e Acessórios do Estado de SP

Legenda das fotos: imagens da mini-exposição durante o Simea 2007.