A Mercedes-Benz acaba de inaugurar em Iracemápolis/SP,  seu campo de provas para o desenvolvimento de caminhões e ônibus. Construído em terreno de 1,3 milhão de metros quadrados, o complexo tem estrutura de 16 pistas de testes, sendo 14 para verificação de durabilidade estrutural, uma de conforto acústico e térmico e uma de terra, totalizando extensão total de 12 km. O complexo contouy com apoio da Mercedes-Benz da Alemanha e investimento de aproximadamente R$ 90 milhões.

O campo de provas opera com tecnologia de conectividade do Driver Guidance System, que se destaca por trazer conceitos da Indústria 4.0 para a área de desenvolvimento da Mercedes-Benz do Brasil. Este sistema utilizado pela companhia permite conexão global de todas as pistas de testes de durabilidade do Grupo na Alemanha e nos Estados Unidos.  Dessa forma, os engenheiros podem acompanhar, em tempo real, todos os veículos que estão sendo testados em qualquer um dos complexos. O sistema de monitoramento permite verificar todos os dados e informações que estão sendo avaliados num exato momento pelas equipes de desenvolvimento.

O campo de provas tem uma pista de terra concebida especificamente para testes de ônibus e caminhões que operam em atividades fora de estrada, como os extrapesados. Os testes são realizados de acordo com a norma ISO 10.844, visando a homologação nacional e internacional dos diferentes componentes dos veículos. Além das pistas de testes, o campo de provas conta com uma estrutura de apoio com salas, computadores, rede de TI e oficina mecânica. Compartilha com a fábrica  de automóveis recursos de segurança, atendimento médico, alimentação e outros serviços aos colaboradores da equipe.

O presidente da Mercedes-Benz do Brasil e CEO América Latina, Philipp Schiemer, explicou que o campo amplia a capacidade da empresa para realizar simulações e testes, acelerar e otimizar o desenvolvimento tecnológico de veículos comerciais. “É aqui nessas pistas, por exemplo, que poderemos testar em breve os mais tecnológicos e inovadores caminhões e ônibus Mercedes-Benz o mercado brasileiro e de outros países”, complementou.

A inauguração do campo de provas contou com a presença do Prof. Dr. Uwe Baake, chefe de Engenharia da Alemanha, Turquia, China e, especialmente, do Brasil. Em sua apresentação, ele destacou que o Brasil sempre trouxe para a Daimler uma experiência muito rica em testes severos com caminhões e ônibus. “As severas condições do transporte no País ajudam muito a Mercedes-Benz a desenvolver veículos para enfrentar esses desafios e superá-los com força, robustez e durabilidade. O êxito da Empresa é tão evidente que ela atende não só o mercado interno, como também o externo. Os produtos feitos aqui levam as mesmas qualidades para diversos países”, afirmou o Prof. Dr. Uwe Baake.

Caminhão Laboratório

A Mercedes-Benz do Brasil, em parceria com sua matriz, realizou aqui no País um programa de coleta de dados por meio de um caminhão laboratório instrumentado com 260 sensores. Trata-se de um cavalo mecânico Actros percorreu 16.000 quilômetros por diversas regiões do Brasil, sendo 1.500 quilômetros em trechos off-road com  diversas simulações de carga e tração, acoplado a diferentes tipos de semirreboques.

Durante o programa de captação de dados foram realizadas medições de acelerações, deformações, deslocamentos e temperaturas com o veículo carregado e vazio. Dados de força e torque foram captados por meio de 6 rodas de medição. Do mesmo modo, os sensores coletaram informações de 20 cursos de suspensões do veículo e cabina; 69 sinais de acelerações e 64 de deformações distribuídos ao longo do veículo; 16 forças de suspensão de cabina, coxim do motor e quinta roda do veículo; 2 torques e 2 rotações dos cardans, além de de GPS e da estrutura CAN do veículo. Todos os trechos percorridos pelo caminhão laboratório foram filmados com uma câmera full HD.

“Esse caminhão laboratório trouxe a realidade das aplicações de transporte do Brasil para dentro do Campo de Provas. É exatamente isso que nos permite simular em nossas pistas uma representação fiel das estradas brasileiras”, finalizou  Philipp Schiemer, presidente da companhia no Brasil.