Mesmo com restrição, caminhões trafegam na Marginal Tietê

Publicação: 21/09/12

Em um dia quase quatro mil veículos chegam a trafegar em horário proibido

Seis meses após o início da restrição à circulação aos caminhões na marginal Tietê, esses veículos estão voltando, gradualmente, a ocupar a via nos horários proibidos (das 5h às 9h e 17h às 22h).

De acordo com uma contagem realizada pela CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), desde 5 de março, quando os caminhoneiros passaram a ser fiscalizados e multados, até 6 de setembro, houve um aumento de 43% no número de caminhões circulando em horários não permitidos na marginal.

No primeiro dia de multa, foram 2.457 caminhões nos períodos das 7h às 9h e das 17h às 20h, ambos proibidos para esse tipo de veículo. No dia 6 deste mês, os desobedientes passaram para 3.898.

No período, a CET aplicou 72.494 multas pelo desrespeito à restrição. Isso dá uma média de 471 autuações por dia – o que equivale a apenas 12% do total de caminhões irregulares. No entanto, comparando-se com contagem feita em 2010, quando não havia restrições, o número de caminhões caiu 67% no período das 7h às 9h.

Congestionamento - O resultado é que, apesar da restrição, a lentidão média, tanto na cidade quanto na marginal Tietê, piorou. Na cidade, o trânsito piorou em todos os horários medidos pela CET, das 7h às 20h, em relação ao mesmo período de 2011, quando não havia restrição na marginal Tietê.

Já na marginal, houve melhora de 25% no pico da manhã (7h às 9h) e piora nos demais períodos. A lentidão na marginal Pinheiros, com restrição desde setembro de 2010, está pior em todo o dia. Quando a CET anunciou o programa, disse que esperava um incremento de 20% na velocidade média na cidade.

Para especialistas, as restrições são medidas paliativas, de fácil reversão. "Todo o espaço que os caminhões deixaram, os outros ocuparam rapidamente", afirma Horácio Figueira, consultor em engenharia de tráfego.

Já a CET diz que os índices de lentidão estão "dentro da média esperada" e que "a utilização do viário para o transporte de pessoas em detrimento do transporte de cargas" está sendo privilegiada, "conforme foi idealizado".

A companhia diz ainda que houve redução do número de acidentes com vítimas em 13% e de caminhões quebrados em 24%. O órgão também atribui a lentidão da cidade ao "momento de grandes obras", como as do metrô.

Da Folha de S. Paulo