Estradas do Centro Oeste são antigas e alguns trechos precisam de obras de recuperação

Pesquisa CNT de Rodovias 2017 revelou que dos 105.814 km rodovias pesquisadas, 61,8% da extensão tiveram o estado geral considerado regular, ruim ou péssimo; no ano passado, foram 58,2%. Este ano houve um acréscimo de 2.555 km (+2,5%) em relação a 2016. Em 2017, 38,2% das rodovias foram consideradas em bom ou ótimo estado, enquanto um ano atrás esse percentual era de 41,8%.

Entre os aspectos de maior deterioração, a sinalização ganhou destaque. Em 2017, o percentual da extensão de rodovias com sinalização ótima ou boa caiu para 40,8%, enquanto no ano passado 48,3% haviam atingido esse patamar. Neste ano, a maior parte da sinalização (59,2%) foi considerada regular, ruim ou péssima.

Em relação à qualidade do pavimento, a pesquisa indica que metade (50,0%) apresenta qualidade regular, ruim ou péssima. Em 2016, o percentual era de 48,3%.

A geometria da via manteve o mesmo resultado do ano passado: 77,9% da extensão das rodovias tiveram sua geometria avaliada como regular, ruim ou péssima e apenas 22,1% tiveram classificação boa ou ótima.