Ganho de espaço na cabine, melhorias no trem de força, adoção de dispositivos de segurança e de condução, que ajudam o motorista a aproveitar os recursos do motor sem aumentar o consumo de combustível, são itens do pacote de atualização aplicado ao Mercedes-Benz Axor 2544 6X2

Por Andrea Ramos 

A nova geração do Mercedes-Benz Axor recebeu um pacote de modificações que, em linhas gerais, deixou o modelo extrapesado da Mercedes-Benz mais moderno, eficiente e, segundo a fabricante, também mais seguro e econômico. Ao todo, o modelo recebeu alterações, às quais foi incluido também o bem-estar do motorista, com destaque em relação ao ganho de espaço no interior da cabine. Isso foi possível com o rebaixamento do túnel do motor em 100mm.

Rebaixamento do túnel do motor em 100mm possibilitou ganho de espaço e tornou mais fácil a movimentação no interior da cabine do Axor

Com essa melhoria, na versão com cabine teto alto o espaço entre a capa do túnel e o teto  aumentou para 1.780mm. Na  opção de teto baixo, a altura ficou em 1.310mm. Outro item a ser considerado é o novo climatizador, mais compacto e cerca de 75mm mais baixo sobre o teto da cabine. Além disso, ficou 18 quilos mais leve e ganhou seis litros a mais de volume de água.

Agora, no novo Axor, o motorista consegue acompanhar as informações sobre a pressão de turbina. Vale lembrar que a sugestão para a adoção desse item foi levado à engenharia da Mercedes-Benz pelo Embaixador das Estradas, João Moita, antes mesmo do lançamento do projeto em maio deste ano.  Na prática, o condutor enxerga o comportamento da turbina durante o tráfego, ficando mais fácil tomar as decisões necessárias para ajudar na redução do consumo, pois a medida que o condutor afunda o pé no pedal do acelerador, ele enxerga pelo painel que a turbina vai dando informações (alertas visuais) de como o motor está se comportando.

Painel de instrumentos recebeu várias mudanças e passou a integrar várias funções, com informações sobre a pressão da turbina, consumo em marcha lenta e alerta ao motorista sobre a velocidade

Quanto mais a pressão sobe, mais alerta o motorista deve ficar de que o consumo está aumentando. Na cor verde é sinal de que o veículo anda em modo economico, já no amarelo requer atenção e no vermelho é sinal de que a coisa desandou.

Outras novidades do veículo está nos itens de segurança a ele agregado. Entre eles estão o HSA (Hill Start Aid), sistema que auxilia o condutor durante as partidas em rampa. Nessas condições, a ferramenta segura o veículo por três segundos a partir do momento que o motorista tira o pé do pedal de freio e aciona o do acelerador, evitando que o veículo saia do lugar. Talvez o tempo de cinco minutos seria mais adequado para o condutor agir com mais calma.

O pacote de mudanças aplicado ao Axor inclui também o EBD (Eletronic Brake Force Distribution), sistema que funciona junto com o ABS e tem como função distribuir a força de frenagem em cada uma das rodas do veículo, evitando que elas travem em caso de emergência. Outro item de segurança adicionado ao modelo é o ASR (Anti Slip-Regulation) para controlar a tração das rodas e evitar que elas patinem. Os itens de segurança chegam ao Axor num bom momento, ainda mais se levar em conta que alguns concorrentes já estão se movimentando nesse sentido. A Ford, por exemplo, já equipa o Cargo 2042 com controle eletrônico de estabilidade e a MAN Latin America, por sua vez, já entrega o Volkswagen Cons­tellation com EBD (Eletronic Bra­ke Force Distribution), todos de série.

No que se refere à melhorias do trem de força, o câmbio PowerShift ganhou um novo software. Visivelmente, o carreteiro não nota a diferença, mas no dia a dia –  ao volante – perceberá que as trocas de marcha ficaram mais dinâmicas tanto na regressão como na progressão. Com esse ajuste, as respostas das trocas de marcha ficaram mais rápidas. A transmissão é a MB G 281 de 12 marchas, que por ser automatizada dispensa o pedal de embreagem.

Essa caixa está combinada com motor OM-457 LA de 6 cilindros que desenvolve 439 cv de potência a 1.900 rpm. O torque desse propulsor é de 224 mkgf a 1.100 rpm – que entusiasma ao perceber a força que dá ao caminhão.

O piloto automático também ficou mais inteligente, pois ganhou configuração visando a economia de combustível. De acordo com a engenharia da Mercedes, até então a inteligência estava configurada apenas para o melhor desempenho do caminhão.  Com a nova configuração, por exemplo, em uma situação de descida, ao invés de acelerar com plena carga para atingir a velocidade desejada o mais rápido possível, o sistema identifica a inclinação da pista e aproveita a inércia do veículo para atingir a velocidade desejada. Nessa condição, o caminhão pode proporcionar até 1% de economia de combustível, informou a fabricante.

Oferecido nas opções de entre-eixos de 3.100 mm e 3.300 mm, na configuração 6×2, o transportador pode operar com diferentes implementos que atendam à legislação, a qual exige que esses cavalos mecânicos sejam atrelados a semirreboques convencionais de três 3 eixos ou de três eixos espaçados, também conhecidos como Vanderleias.

Outros diferenciais do novo Axor em relação à versão anterior estão nas cores. Uma delas é a laranja setter, que chama a atenção não só pela vivacidade, mas também pelo símbolo da estrela de três pontas destacada na grade frontal. Os detalhes das faixas exclusivas nas duas laterais do veículo e uma na tampa dianteira do caminhão, deram um ar de modernidade ao modelo. Além do laranja, o Axor é encontrado nas cores azul griffon, azul rigel e cinza galcon – todas metálicas – e amarelo lamec (esta, apesar de ter também sobrenome, é sólida e disponível para os caminhões da família Axor nas versões fora de estrada).

Faixas nas duas laterais da cabine e na parte frontal, novas cores e cobertura do degrau próximo à porta, identificam o Mercedes-Benz Axor 2018

Os cavalos mecânicos da gama  passam a contar com iluminação da 5ª roda. Isso significa mais segurança na hora do engate ou desengate. Além disso, todos os membros da linha on road ou off road ganharam chineleiras, cobertura do degrau de acesso onde o condutor pode deixar os sapatos para não sujar a cabine.  Essa proteção também dá mais segurança ao condutor, porque evita que desconhecidos subam pela escada na tentativa de furto ou roubo, por exemplo. Outra novidade está na nova localização do macaco, agora guardado no compartimento externo do lado esquerdo da cabine.

Além de mudanças na caixa de câmbio, e sistemas eletrônicos de segurança, o macaco hidráulico foi reposicionado para compartimento do lado esquerdo da cabine

Há mais de uma década no mercado brasileiro, o Axor já estabeleceu uma relação de confiança com o transportador e se for comparado com seus principais concorrentes é também o mais completo. Vale lembrar que desde o seu lançamento, em 2005, o modelo já teve 60 itens melhorados ou incorporados. Os de maior destaque estão presentes a partir de 2014, quando a Mercedes-Benz implantou os conceito Econfort. Naquele ano, a empresa apresentou melhorias voltadas ao consumo de combustível. Em seguida, vieram as modificações que  visavam redução dos custos de manutenção. E as atuais estão focadas no bem estar do motorista.

Desde o seu lançamento no mercado brasileiro, em 2005, o Axor teve 60 atualizações entre itens melhorados ou incorporados

O Axor 2544 na configuração 6×2 é um dos caminhões mais populares da família e sua popularidade se comprova pelos números. Em 2017, por exemplo, foram vendidas 2.322 unidades entre todos modelos, inlcuindo versões on e off roads. Desse total, 378 unidades foram do 2544 6X2, volume que representou 16,3% do total de Axor vendidos no mercado brasileiro.