Os caminhões extrapesados têm o poder de fascinar até mesmo quem não atua no setor do transporte rodoviário de carga. Grandes, pesados, imponentes, bem-acabados e com estilo, os modelos mais recentes se destacam pela beleza externa e também pela tecnologia a eles incorporados. Essa regra se aplica principalmente aos cavalos-mecânicos produzidos para percorrer grandes rotas, os quais disponibilizam conforto em níveis mais elevados na cabine, afinal, trata-se do posto de trabalho do carreteiro, onde ele passa a maior parte do tempo.

Por João Geraldo

Diferente do que habitualmente acontece com carro de passeio, em que a emoção tem forte influência sobre a decisão de compra, quando se trata de caminhão são outros pontos que influenciam. O que interessa é se o veículo atende tecnicamente à aplicação para a qual se destina e proporcione rentabilidade ao transportador. Isso significa menor custo por quilômetro, o qual in­clui um pacote de itens como economia de combustível, custo de manutenção e atendimento pós-venda, en­tre outros. A forma de negociação, que não raramente também define a marca a ser adquirida pelo transportador, também pode ser incluída na lis­ta de elementos que pesam na escolha.

Quando se fala dos caminhões estradeiros, os primeiros a serem lembrados são modelos com motores acima de 400cv. Para mostrar os principais concorrentes no mercado brasileiro, selecionamos os cavalos-mecânicos 6X2 e 6X4 com motores de 460 e 480cv das seis principais fabricantes de caminhões instaladas no Brasil, dimensionados para tracionar composições com PBTC na faixa de 57 a 74 toneladas. São eles, o DAF XF105, Iveco Hi-Way 480, MAN TGX 29.480, Mercedes-Benz Actros 2646, Scania R 480 e Volvo FH 460.

Em todos eles o motorista encontra cabines arejadas, espaçosas, bancos confortáveis, com regulagens que permitem o melhor ajuste a carreteiros de todos os portes. Se incluem à lista espaço para circulação, camas de bom tamanho e ar-condicionado, vidros, espelhos elétricos e cortinas elétricas, regulagem de coluna de direção, controles à mão do motorista e painel de fácil leitura com todas as informações de navegação. Cada modelo preserva as características próprias da marca, mas em todos há certas semelhanças técnicas, já que disputam a preferência do mesmo cliente.

O extrapesado da fabricante com menos tempo no País, o DAF XF 105 460 (produzido a partir de 2013) é o representante intermediário da montadora nas configurações 6X2 e 6×4. O motor de 12,9 litros e seis cilindros em linha, com turbo intercooler, apresenta torque máximo de 2.500 Nm entre 1.050 e 1.410rpm e o freio motor entrega 430cv a 2.100rpm.

O DAF XF 105 começou a ser produzido no Brasil recentemente e já começou a ganhar espaço no segmento

A transmissão do DAF XF 105 é a ZF-AS Tronic (manual ou automatizada) de 12 e 16 marchas à frente e duas à ré, direct drive e over drive, respectivamente. Os eixos traseiros têm redução simples, com as seguintes opções de distância entre-eixos: 3,20m e 3,60m para a configuração 6X2 e 3,50m e 3,30m para a 6X4. Um dos destaques da marca é a cabine na versão Super Space Cab, com altura interna de 2.10m, 2.24m de comprimento e 2.25m de largura. As outras demais versões – Comfort e Space Cab – têm, respectivamente, altura interna de 1,50m e 1,73. O colchão tem 15cm de espessura e a cama suspensa conta com escada dobrável em alumínio.

Os controles no volante reúnem limitador de velocidade, controle de cruzeiro e ajuste do piloto automático. O climatizador de teto é acionado por controle remoto e temperatura com controle automático. Retrovisores bipartidos com ajustes elétricos, desembaçador térmico, trava mecânica de segurança (DAF Night Lock), entre outros itens, também estão na linha XF 105. Os modelos da marca contam com atendimento do DAF Assistance em todo o território nacional, 24 horas por dia.

O Iveco Hi-Way 480, identificado pela fábrica como 800S48TZ, é tracionado pelo motor FPT Cursor 13 de seis cilindros em linha e 480cv potência a 1.900 rpm, com torque de 2.400Nm na faixa de 1.000 a 1.300 rpm. A transmissão é a 16AS 2630 TO de 16 velocidades, fabricada pela ZF e o freio motor (de cabeçote combinado com freio de exaustão do tipo borboleta – válvula no tubo do escapamento e acionamento pneumático) atinge 415cv. O modelo tem Intarder de série, que utilizado como sistema auxiliar do freio de serviço e do freio motor eleva a potência total de frenagem para 978cv. O entre-eixo de série desse cavalo-mecânico é de 3,50m com opção para 3,20m. A Iveco destaca a autonomia do veículo, com 900  litros de diesel, um tanque de 600 litros mais um segundo de 300 litros.

O Iveco Hi-Way reúne diversos pontos de destaque como, por exemplo, a cabine moderna e espaçosa

A cabine tem grande espaço interno e o climatizador no teto pode ser acionado por controle remoto. A cama mede 2m de comprimento e 80cm de largura, sendo que o beliche superior (item opcional) conta com escada de alumínio retrátil – com amortecedores para facilitar o manuseio – pode ser embutida. O ar-condicionado tem controle digital; vidros, travas e retrovisores são elétricos. Assim como rádio, CD/MP3, fun­ção RDS e entrada USB são itens de fábrica. Item opcional, a geladeira é posicionada entre os bancos, os quais contam com cinto de segurança integrado. O banco do motorista, como nos modelos concorrentes, conta com regulagem de altura, inclinação, profundidade e ajuste lombar lateral. As cortinas blackout possuem interior claro e cortina frontal elétrica.

Equipado com motor MAN D2676 de seis cilindros e 12,4 litros, que desenvolve 480cv a 1.900rpm e torque de 2.400Nm na faixa de 1.000 a 1.400rpm, o MAN TGX 29.480 se posiciona no mercado brasileiro como um forte concorrente no segmento de cavalos-mecânicos apropriados para puxar bitrem e rodotrem. A caixa de câmbio é a ZF 16 AS 2630 TipMatic, automatizada, 16 velocidades e controle de tração é item de série.

Produzido em Resende/RJ, o MAN TGX 29.480 é um dos cavalos-mecânicos top de linha do mercado

O freio motor EVBec, por descompressão, tipo borboleta é controlado eletronicamente e gera 395cv de força de frenagem. A distância entre-eixos é de 3,60m e a cabine nada deixa a desejar em relação aos con­correntes. Na versão teto alto, a distância entre o piso e o teto é 1,94m e 1,66m teto baixo. O túnel do motor, no assoalho, tem 12cm de altura e a cama tem as medidas de 2,20m por 79cm e uma segunda cama rebatível. O interior da cabine, por sua vez, conta com vários espaços como  porta objetos, quebra sol frontal e cortina envolvente em toda a cabine. A suspensão do banco do motorista é pneumática e o volante multifuncional. Ar condicionado, rádio CD com MP3, vidros, travas e retrovisores elétricos são itens de série. Climatizador PX não.

Outro caminhão rodoviário premium é o Mercedes-Benz Actros 2646, um extrapesado equipado com motor OM 460 LA, de 13 litros. Trata-se de um propulsor de seis cilindros em linha e 460cv a 1.900rpm  com torque máximo de 2.300Nm a 1.100 rpm. A transmissão automatizada é a Power Shift G 330-12, de 12 velocidades, sem pedal de embreagem. E tanto o motor quanto a caixa de câmbio são fabricados pela própria Mercedes-Benz.

O Mercedes-Benz Actros vem se firmando no mercado como um extrapesado eficiente e confortável

O eixo traseiro adotado para o modelo é o MB HD6-HL6 (sem redução nos cubos) e a distância entre-eixos é de 3,30m+1.35m para suspensão pneumática e 3,60m+1,35m para suspensão metálica. O sistema de freio conta também com o Top Brake (no cabeçote) além do Retarder Voith R 115 VV, uma opção adicional. O pacote de  itens eletrônicos inclui sistema Anti Travamento das rodas (ABS), Controle de Aderência em Aceleração (ASR) e Assistência de Partida em Rampa (Hill Hilder).

A cabine, assim como a dos concorrentes, é espaçosa, arejada e com alto padrão de conforto. Climatizador e ar condicionado são itens de linha e o banco do motorista oferece múltiplas regulagens, tanto no encosto quanto no assento, para atender a todos os biotipos de motoristas. Retrovisor e trava elétrica são itens de sé­rie, assim como o controle de tração.

Outro caminhão que se destaca nas rodovias é o Scania R 480 LA, tracionado pelo motor DC 13 111, de 12,7 litros, seis cilindros em linha, turbo intercooler e 480cv de potência a 1.900rpm. O torque é de 2.400 Nm na faixa de 1.000 a 1.350 rpm e a caixa de transmissão é a GRS905 (da própria Scania) com Opticruise de 14 marchas (com duas superlentas) próprias para operações rodoviárias.

O Scania R 480 conta com vários equipamentos de série e opcionais, dependendo do tipo de cabine escolhida

O modelo é comercializado de série com entre-eixos de 3.50m e opcional com 3.10m. Outros opcionais do R 480 LA são o Retarder Scania R3500, sistema auxiliar de partida de rampa (Hill Hold) e sistema eletrônico de estabilidade (ESP). São itens padrão de fábrica a suspensão traseira com dois bolsões de ar, controle do nível da suspensão (no painel e no controle remoto). A relação de diferencial, também de fábrica, é a 3,07:1, com opções para a 3,42:1 e 3,80:1. O Scania R 480 LA disponibiliza uma lista de equipamentos de série e opcionais, dependendo do tipo de cabine. A versão Highline Streamline, por exemplo, já sai de fábrica com detalhes aerodinâmicos. Os tanques de série (em alumínio) têm capacidades de 330 litros (lado direito), mais 440 (lado esquerdo) e opcionais de 230 e 330 litros, respectivamente. O tanque de Arla tem capacidade para 50 litros.

O Volvo FH 460 é um forte concorrente na categoria dos caminhões pesados, cuja cabine tem um metro cúbico a mais que a sua antecessora, substituída em 2014. O motor é o D13C460, de 12,8 litros, seis cilindros e 460cv de potência na faixa de 1.400 a 1.900 rpm. A caixa de câmbio automatizada I-Shift tem 12 velocidades e o sistema de freio auxiliar é o VEB410 ou VEB510. Retarder é opcional.

FH 460 é a versão da linha pesada Volvo que tem registrado os melhores resultados de vendas para a marca

Como seus concorrentes nesta faixa de potência, o Volvo FH 460 conta também com uma lista de itens de conforto, segurança e soluções que facilitam a vida do motorista. A cabine, por exemplo, é disponibilizada nas opções de cabine – Leito baixa, Leito alta (Globetrotter) e Leito extra alta (Globetrotter XL) e a cama é formada por um colchão com 800 milímetros de largura. Teto solar é item de série e devido sua abertura pode ser utilizado como saída de emergência. Os comandos do piloto automático, com­pu­ta­dor de bordo, rádio etc, são integrados à direção, a qual que agrega também o freio da carreta.

O modelo da Volvo conta também  com auxílio de partida em subidas. O sistema libera os freios somente quando há torque suficiente para o motor impulsionar o veículo para frente. Já o freio de es­tacionamento é liberado quando o motorista seleciona uma marcha e pisa no pedal do acelerador. Entre outros itens, o FH 460 conta também com sistema de freio que minimiza o risco do efeito L e programa eletrônico de estabilidade (ESP) que aciona, individualmente, os freios decada roda.