Vendas de grandes lotes de caminhões pesados e expectativa positiva em relação à recuperação da indústria são vistos como sinais de que 2018 será um ano melhor para o setor

Por João Geraldo

Os sinais de recuperação do setor industrial e da economia em geral vão alavancar ainda mais as vendas de caminhões pesados em 2018, segmento que – ao menos nos últimos quatro anos – teve o agronegócio como o principal gerador de carga. Diante dessa constatação, a expectativa é geral entre os fabricantes de que haverá aumento de ao menos 30% nas vendas de modelos pesados esse ano. Esse tem sido o consenso quando se trata das perspectivas para o setor.

Essa visão do mercado para 2018 não tem sido diferente dentro da Scania, empresa que começou o ano bastante otimista com os resultados das vendas cujas negociações tiveram início na Fenatran, em outubro passado. O diretor de vendas da empresa, Ricardo Vitorasso, aposta no crescimento de licenciamentos de caminhões acima de 16 toneladas de PBT, superando as 40 mil unidades.

Segundo ele, a empresa teve um bom início de ano, marcado por negociações de lotes modelos pesados com empresas de grande atuação no setor transporte, como o grupo G 10, Jolivan, Tombini, Cavalinho e Transmarone, entre outras, que estão renovando suas frotas. Ele conta que durante a feira foram negociados mais de mil caminhões, dos quais a maior parte já foi entregue aos clientes. Em relação aos semipesados, Vitorasso disse que a marca cresceu no segmento em 2017, sendo a versão 8X2 o carro-chefe de vendas, cujo público é formado por motoristas autônomos e distribuidores.

A baixa dos juros e a renovação da frota de pesados Euro 5 são fatores decisivos para 2018 ser melhor, disse Roberto Barral

O vice-presidente de operações da Scania no Brasil, Roberto Barral, destacou que há um reaquecimento da economia com o aumento da confiança do consumidor devido ao descolamento do cenário político. O executivo acrescenta que a baixa dos juros e a renovação da frota de caminhões Euro 5 (adquiridos a partir de janeiro de 2012) são fatores que poderão ser decisivos para o ano ser melhor. Nos dois primeiros meses deste ano foram licenciados 908 caminhões pesados da marca. No mesmo período de 2017 foram emplacadas 456 unidades.

Vitorasso reforça que boa parte dos caminhões vendidos já são dos modelos equipados com os novos motores de 450 e 510cv de potência. Os primeiros veículos com os novos propulsores foram entregues ao G 10 para atuar no transporte de grãos, mas o executivo adiantou que a expectativa é aumentar as vendas dos modelos com as novas potências para todos os segmentos rodoviários.

Expectativa na Scania é o aumento das vendas das versões com motores de 450 e 510cv, as quais têm potencial para atingir índices maiores que o modelo de 440cv

O diretor de vendas da Scania reforça que os motores de 450 e 510cv têm potencial para atingir índices ainda melhores do que o campeão de vendas da marca, o R 440, como por exemplo a redução de consumo de até 5% no consumo de combustível. “Essa melhora é fruto da tecnologia de alta pressão de injeção de diesel e múltiplos pontos para diminuir o consumo, ruídos e emissões de poluentes”, concluiu.

Apesar de o R 440 ser o campeão de vendas da marca, com mais de 28 mil unidades em operação, desde o lançamento em 2013, o modelo está fadado ser substituído pelos modelos mais potentes, os quais, segundo a empresa, têm tecnologia para facilitar a operação do motorista e retorno para o transportador.