Todo veículo possui especificações de geometria que devem ser mantidas dentro das recomendações do fabricante. Por isso, o alinhador tem de ter em mente vários fatores ao fazer o diagnóstico de um veículo no aparelho alinhador. É fundamental ele saber o que significa ângulo de cáster e se está fora da medida, o porquê e também verificar se pode ser corrigido, além de saber  quais são as consequências de rodar com o ângulo fora do especificado. Os operadores sabem operar os equipamentos de alinhamento, porém nem todos sabem o que estão fazendo. Isso é facilmente comprovado observando o trabalho e conversando com alinhadores sobre geometria veicular. Muitos sabem olhar as especificações no monitor e, pelas cores verde ou vermelha, a distinguir se as medidas estão dentro ou fora das especificações. Mas só isso não é suficiente para se fazer um bom trabalho, situação que exige um operador com conhecimentos básicos de geometria veicular e noções de medidas em graus, minutos e segundo, bem como de medidas em centímetros, milímetros ou até menos.

Geometria Veicular requer conhecimentos e treinamento. Ao conversar com pessoas que executam esse trabalho, fiz boas e más observações. Às vezes, o trabalho é tão malfeito que ficam dúvidas se o veículo realmente foi alinhado ou se ficou pior do que antes da intervenção do “profissional”.

Tenho visto pátios de atendimento a caminhões com toda uma infraestrutura e equipamentos modernos, mas o operador, por sua vez, só verifica a convergência ou divergência do veículo. Isso vai contra todo o investimento feito para se fazer um serviço tão básico. As máquinas modernas de alinhamento possuem recursos para leitura de todos os eixos de uma carreta,  por exemplo, não importando o número de eixos.

Um veículo para ser considerado alinhado, todos seus eixos precisam ser minuciosamente verificados para a identificação de possíveis desalinhamentos que terão influência no desgaste dos pneus, no consumo de combustível, estabilidade do veículo, estresse do motorista e segurança na estrada, entre outros itens.

O problema não reside somente na operação do alinhador, mas também no gerenciamento dos pátios de atendimento de caminhões. Os responsáveis também devem ter conhecimentos necessários para executar um bom serviço. Recomendo ao consumidor que fique atento ao que está sendo feito quando levar o veículo para ser alinhado. Se for verificado somente o eixo dianteiro, não houve alinhamento, pois, se for o caso, todos os eixos precisam ser verificados e corrigidos . Um item a ser observado se o serviço está sendo feito com critério é a correção da pressão do ar dos pneus, pois pressões desiguais provocam erros de leitura nas alinhadoras.

Esse Boletim é de responsabilidade do Consultor na área Automotiva Pesada, Guilherme Junqueira Franco, que tem a formação TTS – Truck Tire Specialist (Especialista em Pneus de Caminhão). Dúvidas poderão ser tiradas diretamente pelo e-mail: drpneus@yahoo.com.br ou guijunqueirafranco@gmail.com