Há mais de duas décadas no mercado, o Ford Cargo para 8 toneladas é um dos caminhões mais vendidos na categoria em que concorre. Parte de seu sucesso se deve às suas características técnicas que incluem a boa sincronia entre transmissão Eaton e o motor Cummins de 162c

Por Andrea Ramos

O Ford Cargo 816 é um caminhão bom de mercado. Isso é o que apontam os números de vendas do modelo que concorre na faixa de 6 a 10 toneladas de PBT e encerrou 2017 na terceira posição no ranking de vendas, com 14,71% de participação no segmento em que concorre. De janeiro a dezembro do ano passado foram emplacadas 1.733 unidades, atrás apenas dos modelos Volkswagen Delivery 8.160 (líder na categoria) e 10.160 e à frente de concorrentes como os Mercedes-Benz Accelo 815 e 1016.

Mas, qual é a razão desse caminhão ser tão bem-quisto no mercado? O Cargo 816 leva esse nome graças ao seu PBT de 8.250 kg (3.000 kg no eixo dianteiro e 5.250 kg no traseiro) e sua capacidade máxima de tração é de 11 toneladas. Para ter pluralidade em operações urbanas, conta com três opções de distância entre-eixos: 3.300 mm, 3.900 mm e 4.300 mm, condição que permite adequá-lo a diferentes operações com baú, caçamba, pla­taforma, baú frigorificado e tanque entre outros tipos de implementos.

O modelo é tracionado pelo motor Cummins ISB de 4.5 litros, 4 cilindros em linha e potência de 162cv a 2.300 rpm. Trata-se de um propulsor moderno, cujo sistema de injeção é o common-rail que se destaca pela eficiência. Sua ampla curva de torque, de 1.100 a 2.000 rpm, permite chegar à força máxima de 56,1 mkgf mais rápido e a mantê-lo numa faixa de rotação maior e menos trocas de marchas.

No dia a dia, essa performance agrada ao motorista, sobretudo aquele que trafega por regiões com maior incidência de aclives. O freio de serviço é a ar S Cam, com circuito duplo, e o freio motor é tipo borboleta no tubo de escapamento com acionamento pneumático.

Com três opções de entre-eixos, o modelo da Ford pode ser adequado a variadas aplicações com diferentes tipos de implementos

No entanto, se comparado aos seus principais concorrentes, é o motor que possui o menor torque. O Volkswagen Delivery, por exemplo, possui 61,1 mkgf de 1.300 a 1.700 e o do Mercedes-Benz Accelo 815 tem 59 mkgf na faixa de rotação entre 1.200 a 1.600 rpm. Em contrapartida, no que se refere à potência, o modelo desbrava as cidades com maior desenvoltura. Não por acaso, sua cavalagem é bastante elogiada pelos motoristas, assim como a transmissão mecânica de 5 velocidades.  A caixa de câmbio é a FSO-4505 C produzida pela Eaton combinada a uma relação de eixo traseiro de 3,90:1.

O sistema de suspensão do modelo da Ford é direcionado ao transporte urbano: na parte dianteira e traseira conta com eixo rígido com barra estabilizadora, com capacidade para suportar mais impactos das vias, valetas e quebra-molas. Os freios ABS, por força de lei, trabalham em conjunto com o EBD – algo que a Ford quis incrementar oferecendo com item de série. Esse sistema realiza o controle de distribuição da força de frenagem que é importante para a estabilização e segurança do caminhão.

O Painel de instrumentos apresenta boa visibilidade para o motorista; caso haja qualquer anomalia, o código da falha é mostrado na tela do computador de bordo

Desde a nova configuração do modelo, em 2012, para atender à norma P7 (programa de controle de emissões equivalente ao Euro 5), a Ford vem destacando que Cargo 816 passou a ser produzido com material mais resistente. Essa medida da montadora teve como foco atender aos frotistas que utilizam o veículo em operações mais severas, como no campo, por exemplo. Nesse sentido, o painel é feito com polipropileno reforçado com fibras de sisal e revestido com vinil de fácil   limpeza e maior vida útil.

No interior da cabine o motorista tem um ambiente simples, nada de rebuscamentos, mas tudo bem organizado, enquanto o conforto é garantido pelo banco com suspensão pneumática e vidros elétricos de série. No painel de instrumentos tudo é bem visível e intuitivo e caso haja qualquer anomalia, o computador de bordo mostra o código de falhas do motor. Esse sistema permite um diagnóstico de alta precisão para que a solução seja encontrada de forma rápida.

Primeira versão do Cargo 816 com motor Euro 5 trazia conjunto ótico com faróis redondos no posicionados no parachoque

O tacógrafo é moderno e conta com uma tela digital que indica data, hora, quilometragem e código de falhas. A ergonomia também está presente, já que a engenharia da Ford aumentou as opções de ajustes do banco, havendo mais escolhas de altura e profundidade.  Vale citar também a área envidraçada que privilegia a visão do condutor.

Do lado de fora da cabine nada mudou. Nem no desenho, como aconteceu com a gama de caminhões da marca a partir de 14 toneladas de PBT, que ficaram com aspecto mais moderno.  É muito possível que a simplicidade e funcionalidade do Cargo 816, sejam os principais atributos que o mantém entre os três mais vendidos em sua categoria.

EVOLUÇÃO DO MODELO

A linha Ford de caminhões para 8 toneladas estreou no mercado em 1997 com o lançamento do Cargo 814. Em 2006, o modelo foi substituído pela versão 815,  que trazia diferenciais no motor.

com gerenciamento eletrônico e outras atualizações como renovação de itens do painel de instrumentos e dois anos de garantia sem limite de quilometragem.

Já a atual versão do Cargo 816 foi lançada em 2012, quando as montadoras tiveram de se adequar à fase P7 do Proconve (Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores) que entrou em vigor em 01 de janeiro daquele ano.

A Ford aproveitou as exigências da legislação, como a adoção de motores com sistemas de pós-tratamento dos gases de escapamento, e procedeu diversas atualizações seu modelo de 8 toneladas.  As novidades incluíram renovação do interior e da parte externa da cabine, estas mais notadas porque abrangeram a troca da grade frontal, para-lamas, faróis e para-choque dianteiro, além de luzes de pisca instalados no alto dos para-lamas e demais itens de série que o modelo oferece até hoje (JG).