Por Evilazio de Oliveira

A ação de quadrilhas que roubam cargas de caminhões brasileiros que trafegam pelas estradas argentinas tem aumentado nos últimos meses, com assaltantes cada vez mais audaciosos e organizados, agindo sem ligar para os equipamentos de segurança do caminhão ou para as escoltas armadas. Até há pouco tempo, os ladrões levavam a carga e abandonavam o caminhão nas proximidades, não agrediam o motorista fisicamente, limitando-se a ameaças. Agora, além de terem intensificado o número de assaltos a brasileiros – foram 15 em 30 dias, os piratas do asfalto – como são chamados – levam também os caminhões, que são revendidos, “esquentados” ou desmanchados e as peças comercializadas.

Na opinião do diretor-administrativo da ABTI (Associação Brasileira de Transportadores Internacionais), José Carlos Becker, a situação é problemática, pois envolve segurança e economia. “Com a mudança no perfil dos assaltantes, que agora ficam com a carga e o caminhão, muitos autônomos já pensam em abandonar o transporte internacional”. Outro problema, segundo ele, é que as autoridades da Argentina cobram das transportadoras as taxas aduaneiras e os impostos que incidem sobre a carga roubada. Esse valor é pago normalmente pelo importador ao receber a carga. No caso de haver roubo, o ônus é repassado ao transportador.

O vice-presidente da Cootril (Cooperativa de Transporte Internacional Ltda.), Antônio Carlos Zaltron, conta que teve um caminhão roubado na Argentina e um prejuízo de R$ 800 mil na tentativa de recuperar o veículo. Ele investigou sozinho e pagou propina a policiais em busca de informações sobre a localização do caminhão. “Nas minhas investigações encontrei um caminhão brasileiro roubado, na Argentina, e cheguei a ser preso como se fosse bandido”, revela.

O presidente do Sincaver (Sindicato dos Condutores Autônomos de Veículos Rodoviários de Uruguaiana), Néri de Oliveira, reforça as denúncias sobre a clonagem de caminhões brasileiros na Argentina: “Temos fotos de caminhões em que os bandidos não tiveram nem o trabalho de retirar os adesivos de identificação da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) para ocultar a procedência do caminhão”.

A partir de 2001, quando o país atravessou uma séria crise econômica, começaram os assaltos aos cargueiros brasileiros, principalmente na região metropolitana de Buenos Aires, com a utilização da mesma técnica: o caminhão em movimento era alcançado por um automóvel que emparelhava com a cabine e sob a ameaça de uma arma de grosso calibre, o motorista recebia a ordem para estacionar no acostamento. O carreteiro era levado para o automóvel, tinha os olhos vedados, e começavam a circular pela rodovia. Enquanto isso, outro homem assumia o controle do caminhão. Horas depois o motorista era abandonado na rodovia e dificilmente acontecia violência física.

Esse tipo de crime continuou aumentando, e hoje se constitui numa ameaça para os carreteiros e transportadoras brasileiras. E a explicação pela preferência dos ladrões pelos caminhões brasileiros é óbvia, pois são mais modernos, potentes e conduzem cargas quase sempre mais valiosas. Agora, também, além da carga, muitas vezes os caminhões são levados pelos assaltantes e a recuperação é muito difícil, conforme explica Gladys Vinci, uma argentina de 40 anos e que há 20 atua como procuradora de empresas brasileiras que tiveram problemas com roubo de cargas ou caminhões no seu País.

Nos casos em que precisa liberar um caminhão roubado, Gladys Vinci, que atua como procuradora de empresas brasileiras, faz o trabalho de despachante

Ela atua, sobretudo, em Uruguaiana – divisa do Brasil com a Argentina – por onde passam diariamente centenas de caminhões nos dois sentidos da fronteira. Ela explica que faz o trabalho que as pessoas não gostam de fazer, como despachante, nas exigências burocráticas quando é necessário liberar um caminhão roubado e que tenha sido recuperado. Todos os carreteiros ou transportadores que já passaram pela experiência de assalto, roubo de cargas e do caminhão sabem o quanto é difícil, caro e demorado os trâmites policiais na vizinha Argentina.

O carreteiro gaúcho Tiago Furlanetto, 31 anos e 12 de profissão, foi assaltado e seqüestrado na localidade de Quatro Bocas, em Monte Caseros, a cerca de 120 quilômetros de Paso de Los Libres/Uruguaiana, fronteira com o Brasil. Ele dirigia o Scania 112, ano 1991, com seis rolos de cobre na carreta que trazia do Chile para Curitiba/PR. Ele havia carregado o caminhão junto com outros dois colegas e viajariam juntos, por medida de segurança, principalmente porque os outros dois veículos estavam equipados com rastreadores. Porém, em razão de um atraso na aduana, ele acabou viajando sozinho. Por volta da meianoite de sábado, na Ruta Nacional 14, e perto da fronteira com o Brasil, parou numa estação de serviço.

Néri de Oliveira diz que os ladrões nem têm o trabalho de retirar dos caminhões a identifi cação da ANTT

Ao retornar, foi assaltado e imobilizado por dois homens. “Quedate tranquilo que no te va a pasar nada, lo único que queremos es la carga. El camión no nos importa”. Um automóvel branco com outros dois homens parou ao lado, colocaram um capuz na cabeça de Tiago Furlanetto e o algemaram. Ele foi posto no banco traseiro do automóvel e começaram a rodar. Ele ouviu o ronco do seu Scania sendo movimentado. Depois de algum tempo ele foi transferido para um furgão, novamente advertido de que somente seria libertado depois do caminhão ter sido “desocupado”. Rodaram mais algum tempo por um terreno acidentado, que o fez supor que era no campo, até pararem numa habitação simples. As algemas foram afrouxadas e ele foi obrigado a sentar-se no chão. Nesse período ele pediu para urinar e o levaram para fora da habitação, ao ar livre, reforçando a idéia que estavam no campo. Mais tarde um automóvel chegou com um homem trazendo sanduíches e refrigerantes, que foram distribuídos entre todos.

Furlanetto foi deixado na margem de uma rodovia, ainda com o capuz, com a carteira com a habilitação e a cédula de identidade, e com a advertência de somente se levantar e tirar o capuz quando não escutasse mais o ronco do carro. Ele evidentemente não sabia onde estava, precisou caminhar muito até chegar a uma Comissária de Polícia, onde, afirma Tiago, recebeu um tratamento muito pior do que o recebido dos bandidos. Desde o começo foi tido como suspeito e interrogado muitas vezes, cada hora por um policial diferente, que o forçava a repetir a história. Conta que estava sujo, com fome e sem dinheiro. Quando pediu para usar o banheiro, foi acompanhado por um policial que o vigiava o tempo todo. Pediu um telefone para avisar a empresa ou o seu sócio Vilmar Jorge Fraporti, em Uruguaiana, e lhe mostraram um telefone público na calçada. Mais uma dificuldade para fazer ligação internacional a cobrar, conta. Felizmente conseguiu falar com o sócio que foi buscá-lo.

Tiago Furlanetto trazia rolos de cobre do Chile para Curitiba e foi assaltado na Ruta Nacional 14, a cerca de 120 quilômetros da fronteira da Argentina com o Brasil

Localizaram o caminhão num posto de combustível na rodovia para Buenos Aires, a cerca de 370 quilômetros de Paso de los Libres. Estava com a carreta totalmente danificada em razão da descarga dos rolos de cobre, feitas possivelmente com uma empilhadeira. Levaram tudo da boléia, até mesmo a roupa suja, afirma Tiago. Os ladrões pegaram também U$ 1.500,00, o dinheiro do frete e das despesas de viagem, todos os documentos do caminhão e da carga, rádio-CD, DVD, rádio PX. No total, um prejuízo de uns R$ 25 mil, estima. E isso sem contar os transtornos emocionais, físicos, burocráticos e até mesmo a humilhação de vítima passar a ser visto como réu pelas autoridades argentinas, diz.

Outro carreteiro assaltado nos arredores de Buenos Aires, foi Alex Regazzon, 22 anos, quatro de profissão e uma experiência no transporte internacional adquirida a partir dos 14 anos, quando começou a viajar com o pai, José Aldo Regazzon, hoje presidente da Cootranscau (Cooperativa dos Transportadores de Cargas de Uruguaiana). Alex conta que transportava uma carga valiosa e viajava com escolta numa autoestrada de movimento intenso. Viu pelo retrovisor quando um automóvel imobilizava o carro dos seguranças, forçando a saída para o acostamento.

Logo outro veículo ficou ao lado da cabine e sob a mira de armas teve de estacionar o caminhão. Conta que estava apavorado e nem sabe como pensou em acionar o “pânico” do rastreador. Indiferentes ao movimento na pista, os assaltantes enfiaram um capuz na cabeça de Alex, puseram ele no automóvel e rodaram por várias horas. Ele foi libertado na estrada e pouco depois localizou o seu caminhão parado na margem da estrada, imobilizado pela ação do rastreador. Apenas um grande susto, conta. Não soube dizer o que aconteceu com os seguranças que faziam a sua escolta.

O caminhão e a carga de couro do transportador Paulo Roberto Bortoluzzi nunca mais foram encontrados após serem roubados na entrada de Buenos Aires

Paulo Roberto Bortoluzzi, 42 anos, 10 no setor de transportes, conhece muito bem dessas dificuldades. Ele era dono de três caminhões utilizados no transporte internacional de cargas. Em novembro do ano passado, o seu motorista, Elídio Lopes Rodrigues, foi assaltado na entrada de Buenos Aires e levado pelos assaltantes e liberado horas mais tarde, na rodovia. O caminhão e a carreta com uma carga de produtos de couro não foi mais localizada. Paulo Roberto conta que procurava o caminhão nos pátios de estacionamento da polícia, para onde são levados os veículos apreendidos ou recuperados, mas nunca teve acesso para verificar se o seu caminhão eventualmente pudesse estar numa dessas áreas. Explica que os muros são altos e para entrar só com autorização judicial, “uma novela”, avalia.

Gladys Vinci esclarece que não existe um registro centralizado das ocorrências policiais ou de roubo de cargas. Por isso, muitas vezes o crime acontece num local e o caminhão é localizado em outra Província, com outra jurisdição e daí a coisa complica.