Instalada no Brasil em 1971, a fabricante de motores Cummins tem investido com frequência no desenvolvimento de tecnologias e produtos que reduzam emissões e custos do transporte. Para isso, a empresa que está apresentando novos engenhos e avanços, conta com infraestrutura moderna e profissionais bem preparados

Por João Geraldo

“Estamos relativamente otimistas quanto ao futuro do Brasil.  Achamos que a recuperação vai prosseguir E muitas coisas boas vão acontecer. Acreditamos que vem por aí uma nova fase de crescimento do País”. O comentário é do presidente da Cummins na América Latina, Luis Pasquotto e vice-presidente da Cummins INC. Os motores produzidos pela companhia têm 31% de participação nos caminhões produzidos no Brasil, sendo a maioria modelos leves e médios.

Com fôlego para investir constantemente em inovações tecnológicas e novos produtos, a empresa tem como um de suas mais constantes conquistas a aplicação dos motores ISF 2.8 e 3.8 litros em veículos leves. A empresa, cuja fábrica no Brasil está instalada em Guarulhos/SP, tem em seu quadro de profissionais um grupo de engenheiros custeados pela matriz nos Estados Unidos.

Esses profissionais desenvolvem produtos e tecnologias para outras unidades do grupo, já que a Cummins tem atuação em 197 países. “Temos fôlego para desenvolver tecnologias e novos produtos”, disse Pasquotto acrescentando que atualmente a empresa está investindo 26 milhões de dólares em testes de motores. “As salas automatizadas de testes na fábrica de Guarulhos têm até robô que carrega o motor’ comenta.

Segundo o executivo, a empresa investe 700 milhões de dólares por ano e por conta dos aportes trabalha no desenvolvimento de motores híbridos, a gás e outras tecnologias. “Somos uma empresa líder em power train, conectada e eletrificada.  A Cummins investe para ser o principal fornecedor de tecnologia eletrificada. Não estamos tranquilos, mas estamos confiantes”, finalizou o executivo.

Com 860 kg, o motor ISG tem 12 litros e 510cv de potência

O motor ISF 2.8, por exemplo, está no mercado desde 2014, mas a empresa destaca a nova aplicação com tecnologia EGR de emissões e turbo de geometria variável. Segundo Luis Pasquotto, a Cummins Emission Solutions – divisão da empresa que atua na concepção e integração de tecnologia e soluções de pós-tratamento de gases de escape – foi a responsável pelo desenvolvimento do sistema de pós-tratamento de gases para aplicação do ISF 2.8 com EGR.

O Motor ISF de 2.8 litros com tecnologia de emissões EGR e turbo de geometria variável, é uma novidade da Cummins que chega ao mercado nacional com a nova linha Volkswagen Delivery. Na versão que equipa veículos acima de 3,5 toneladas de PBT o ISF 2.8 tem tecnologia SCR de emissões. A Cummins lançou o ISF 2.8 EGR para atender a legislação de emissões para veículos diesel abaixo de 3,5 toneladas de PBT.

Somos uma empresa líder em trem de força, conectada e eletrificada, observou Luis Pasquotto, presidente da Cummins na América Latina

A empresa está destacando também o motor ISG 12, uma unidade de 12 litros e 510cv de potência. Rafael Torres, diretor de engenharia de motores Latin America, diz que se trata de um engenho potência, baixo consumo de combustível e apenas 860kg de peso. “Esse motor está pronto e homologado, falta apenas o cliente”, afirma.

Torres cita também outro novo produto da empresa, o ISB 6.7, que gera 310cv de potência e 1.100Nm de torque. Trata-se de um motor de baixo consumo para aplicação em caminhões médios”. Ainda falando de novos propulsores e tecnologias, Torres destaca a família de motores a gás da Cummins, formada pelo ISX12N, L9N e o B 6.7N.

Motor ISF 2.8 litros agora também com tecnologia EGR de emissões e turbo de geometria variável

ATUALIZAÇÃO DO MOTOR À DISTÂNCIA 

Junto os motores Euro 6, ainda sem previsão de chegarem ao mercado brasileiro, embora já se fala que poderá ser em 2022, Rafael Torres adianta que a Cummins vai disponibilizar atualização do software do motor no modo Over-The–Air.

Ele explica que a atualização será enviada pela Internet e o próprio motorista poderá fazer o download em poucos minutos. E sendo assim, em muitos casos o motorista não precisará parar o caminhão para determinadas atualizações correções do motor.

No entanto, quando se fala em Euro 6, Pasquotto enfatiza que no caso do Brasil só fará sentido se houver junto providências como inspeção veicular e renovação de frota, entre outras. Ainda de acordo com o executivo, o governo tem de ter uma política de infraestrutura e as frotas que estão em dia com questões ambientais recebam algum incentivo.