O uso do rastreador é uma das principais medidas adotadas pelos transportadores para reduzir os prejuízos causados pelo roubo de carga. No início, houve quem torceu o nariz para a tecnologia, sob argumento de falta de liberdade no trabalho. Porém, diante do aumento da insegurança nas estradas, os carreteiros passaram a ver com bons olhos o fato de serem vigiados 24 horas por dia, alegando se sentirem mais seguros, mesmo tendo de seguir um plano de viagem com horários, rotas e pontos de paradas para serem cumpridos.

As estradas estão muito perigosas, me sinto mais seguro sabendo que a viagem está sendo acompanhada de longe, disse o carreteiro José Goi

É o caso do catarinense de Ijui, José Goi, 55 anos de idade, 25 de profissão, que viaja pelo Brasil inteiro. Ele afirmou que quando está rastreado roda com mais tranquilidade e responsabilidade. “Me sinto mais seguro sabendo que minha viagem está sendo acompanhada de longe. As estradas estão perigosas, sem isso fica arriscado”, desabafa.

Goi comentou que já se acostumou a dar as informações para a empresa sempre que alguma coisa sai do planejado. Ele explica que quando pega trânsito pesado na BR-116, por exemplo, avisa imediatamente para evitar ser bloqueado. “No começo eu parava para abastecer e esquecia de reiniciar a viagem. Resultado: era bloqueado. Mas em poucos minutos já estava liberado para seguir. Hoje, apesar de ter perdido um pouco da liberdade na estrada já me acostumei e, sinceramente, acho muito bom ser vigiado”, brincou.

Mesmo sabendo que o equipamento não impede o roubo do caminhão e da carga é bom ter com quem dividir o problema”, comentou Carlos Machado

A mesma opinião é compartilhada pelo gaúcho Carlos Machado, de Santo Ângelo. Há 21 anos na estrada, e atualmente viajando na rota Mercosul, ele lembra que quando iniciou na da profissão os tempos eram outros, não havia tanta necessidade de usar o rastreador e os motoristas tinham mais liberdade de horário e rotas. “Mas hoje só me sinto seguro com o rastreador, mesmo sabendo que o equipamento não impede o roubo do caminhão e da carga. É bom ter com quem dividir o problema”, comentou.

O ponto negativo, em sua opinião, são os locais de parada indicados pelas seguradoras. Na sua opinião, os lugares nem sempre contam com infraestrutura adequada para receber os motoristas e caminhões com segurança. “É muito diferente quando entramos na Argentina ou no Chile, onde em cada pedágio há um ponto de apoio para o carreteiro. O Brasil precisa melhorar muito. Há 21 anos os postos de serviço eram pontos de apoio, hoje só podemos parar se abastecermos ou utilizarmos algum serviço”, comparou.

Machado diz ainda que quando opta por parar em um local diferente do proposto no início da viagem, avisa a empresa que entra em contato com a seguradora autorizando a parada. “O patrão já trabalhou na estrada e por esse motivo é mais flexível e sabe avaliar os pontos realmente seguros. Então é mais tranquilo”, reconheceu.

Antonio Marcos Mendonça, que no passado já foi abordado por ladrões, conta que hoje em dia se sente mais seguro com rastreador no caminhão

Antônio Marcos Mendonça, 46 anos de idade, natural de São José do Rio Preto/SP, lembra que quando começou na profissão, há 22 anos, as estradas eram precárias, os caminhões menos confortáveis. “Hoje temos veículos mais seguros e os rastreadores que ajudam a inibir o roubo de carga. Já fui assaltado. Os bandidos levaram o caminhão e eu fiquei quase dois dias amarrado em um canavial. Então, eu sei bem o que é isso. Me sinto mais protegido sendo rastreado”, justificou.

Antônio recorda que no começo sofreu um pouco com os bloqueios no veículo, mas por esquecer de fazer o procedimento de segurança. “Eu entrava no caminhão, digitava a senha para iniciar a viagem e abria a porta. Automaticamente a seguradora bloqueava o veículo. Nesse caso, você tem de entrar em contato, responder uma série de perguntas, explicar o que aconteceu e aguardar uns três minutos para ser liberado. Mas isso foi só no começo”, destacou.

Diz que o único ponto negativo do rastreamento é ter de seguir os pontos de paradas sugerido pelas seguradoras, os quais muitas vezes são lugares isolados, perigosos e de fácil acesso para os bandidos. “Às vezes eu pego a rota e sei que nela existem lugares de parada melhores, mas não podemos mudar o plano inicial. Não escolhemos nada. Mas também, hoje não cabe mais essa liberdade”, desabafou.

Para Pedro Galvez, o sistema de rastreamento serve mais para o empresário monitorar caminhão e motorista e verificar se a rota está correta

Diferente dos colegas brasileiros, o chileno Pedro Galvez, 57 anos de idade e mais de 30 de profissão, de Santiago, explica que apesar do veículo ser rastreado quem determina os locais de paradas são os próprios motoristas. Porém, a rota quem faz é a empresa. “Quando acontece de sairmos do caminho estabelecido temos apenas de ligar e informar o motivo”, explicou.

Galvez acredita que os ladrões sabem como desarmar o sistema de rastreamento. Diz que hoje em dia o equipamento serve mais para o empresário monitorar caminhão e motorista e verificar se a rota está correta. Acredita que a melhor maneira de se proteger do roubo de carga é escolher lugares seguros e com infraestrutura para parar. Galvez conclui dizendo que o Brasil tem muito a melhorar nesse sentido.

Rastreamento dá muita tranquilidade, mas se os ladrões estiverem dispostos a levar a carga o sistema não impede, opina Maicon Koslowski

Maicon Koslowski, 32 anos de idade e 10 de profissão, da cidade de Francisco Beltrão/PR, tem sistema de localizador no seu caminhão, que funciona de maneira diferente do rastreador. “Já trabalhei em lugares que utilizavam o rastreador. Era bem complicado. Qualquer imprevisto na estrada era obrigado a parar e ligar para a empresa, embora nem sempre o sinal estava disponível. Uma vez dormi demais e perdi o horário programado para sair. Fui bloqueado e todo o processo para o desbloqueio durou mais de 40 minutos. Tive de responder ‘milhares’ de perguntas inclusive o local do corpo onde tenho tatuagem”, lembrou.

Com o localizador diz que dirige mais tranquilo, porque ele é o responsável por escolher a rota e os locais de parada. A empresa apenas monitora. “Posso me comunicar com ela em qualquer situação diferente e tenho um botão de pânico à disposição, localizado no painel para o caso de qualquer emergência”, explica. Mas  Maicon concorda que se o ladrão estiver disposto a levar o caminhão e a carga o sistema não vai impedir.

Bartolomeu Barbosa conta que foi rendido na rua e o sistema não impediu o assalto porque os ladrões usaram “chupa cabra” para enganar o monitoramento

Bartolomeu Barbosa Costa, 47 anos de idade e 30 de profissão, de Monteirópolis/AL, conta que o rastreador instalado em seu caminhão não o impediu de ser assaltado. “Os bandidos me renderam na rua, colocaram o “chupa cabra”, e na central apontava que o caminhão sempre estava no lugar do último monitoramento. A empresa rastreou, mas os ladrões foram mais rápidos. Fiquei sete horas nas mãos dos bandidos. Depois de um tempo o caminhão quebrou e a Polícia Rodoviária Federal o recuperou”, conta.

Apesar do susto, Bartolomeu diz que o rastreador tem as suas vantagens. A empresa consegue verificar se está tudo bem com aquela viagem, se o caminhão está sendo seguido e tem autonomia para bloquear o veículo. “Quando acontece de ser bloqueado, a empresa envia um motociclista para o local para ver o que aconteceu e verificar se foi apenas um erro de percurso. Depois disso o caminhão é liberado. Mas isso leva um tempo e pode atrapalhar o nosso dia a dia. Porém raramente isso acontece”, ponderou.

Rastreador não é só para a segurança, mas também para a empresa verificar se o motorista está dirigindo na velocidade certa e de forma econômica, lembrou Fernando Bender

O rastreador não é apenas uma questão de segurança ele ajuda a empresa a verificar se o motorista está dirigindo na velocidade certa e de maneira econômica, destacou Fernando Bender, 29 anos de idade e 10 de profissão. Na ocasião em que conversou com a reportagem da revista O Carreteiro, seu caminhão estava parado no posto de serviço com problema. O motor não funcionava e ainda não se sabia se o problema era pane elétrica ou de bloqueio do sistema.

Bender contou que na empresa onde trabalhava anteriormente o caminhão tinha sido bloqueado na rodovia Castelo Branco. Parou no acostamento e foi multado. “Hoje em dia isso não acontece mais”, disse, acrescentando que única coisa que não aprovava era o teclado, mas depois a  empresa retirou. “O teclado atrapalha bastante. Como vamos digitar mensagens e dirigir ao mesmo tempo? Hoje me comunico pelo celular, mas não dá para negar que me sinto mais seguro sendo rastreado”, completou.

ROUBO SEM PUNIÇÃO SEVERA

O uso de rastreador em caminhões passou a ser uma das principais medidas adotadas pelos transportadores na tentativa de reduzir os prejuízos causados pelo roubo de cargas, que se transformou em um negócio rentável, movido pela ganância e sem punição severa.

O assessor de segurança do Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região (Setcesp), coronel do exército Paulo Roberto, explica que há 40 anos, pode-se dizer, não havia ocorrências de roubo de cargas, pois não existia estrutura de crime organizado. “Porém, de 20 anos para cá, esse crime passou a ser articulado com a figura de um receptador para a carga furtada. A prática passou a ser vista pelos criminosos como uma maneira rápida, fácil e sem punições de ganhar dinheiro”, conclui.