A Arteris realizou, pelo segundo ano consecutivo, pesquisa nacional sobre o comportamento de motoristas no trânsito. Este ano, foram examinados as principais desculpas dadas por motoristas ao admitir comportamento de risco em quatro eixos: uso de cinto de segurança, direção após consumo de bebida alcóolica, excesso de velocidade e utilização do celular ao volante.

Em relação ao ano passado, o cumprimento aos limites de velocidade foi o único que apresentou melhoras em relação ao ano passado. Este ano, 59,3% dos entrevistados declararam sempre respeitar os limites de velocidade estabelecidos, enquanto em 2016, o percentual foi de 51,3%. Para os demais eixos, não houve variação estatística significativa.

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), 1,25 milhão de pessoas perde a vida no trânsito, por ano, ao redor do mundo. No Brasil, cerca de 40 mil óbitos a cada ano são registrados conforme os dados do Ministério da Saúde.

A pesquisa foi realizada entre 15 e 27 de julho, com 2.686 motoristas, das cinco regiões do País, que responderam a um conjunto de perguntas sobre o seu próprio comportamento no trânsito. O levantamento retrata a distribuição no território nacional de condutores e a margem de erro é de 1,9%.

4USO DE CELULAR ENQUANTO DIRIGE

A infração mais recorrente identificada na pesquisa é o uso do celular ao volante. A maioria dos motoristas brasileiros (51,9%), mesmo cientes da proibição, faz uso do telefone enquanto dirige. O que a grande maioria dos motoristas esquece é que alguns segundos de distração ao manusear o celular podem levar a um desvio de atenção grave, inclusive possibilitando que percorram vários metros “às cegas”. As principais desculpas apresentadas foram o uso de aplicativos (37,7%) e a realização ou recebimento de ligações importantes ou urgentes (36,1%).

Anterior