Motoristas autônomos iniciaram nesta segunda-feira um movimento de paralisação por tempo indeterminado, com manifestações em diversas rodovias do Brasil.  As entidades coordenadoras das manifestações, sediadas por todo o País, afirmam que o movimento é pacífico e que todos os motoristas estão sendo orientados a não carregarem e a permanecerem parados nas empresas ou em casa. Segundo a CNTA (Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos), os sindicatos também estão informando que caminhões carregados com cargas vivas, medicamentos, ambulâncias, ônibus e carros em geral não serão impedidos de trafegar pelas rodovias.

Na manhã desta segunda-feira, muitos motoristas que vinham da região Sul, e deveriam seguir em direção ao Rio de janeiro, estacionaram seus caminhões em postos da Régis Bittencourt ao invés de se arriscarem a ficar parados na via Dutra devido às manifestações. No entanto, as entidades coordenadoras do movimento informaram que a orientação é parar em postos de combustíveis nas rodovias e não promover bloqueio das estradas.

O presidente da CNTA, Diumar Bueno, afirmou que a categoria quer discutir com o governo federal o preço do diesel, pois os aumentos praticados prejudicam a população e elevam os custos de todos os setores produtivos do País. “Para se ter ideia, o preço do óleo diesel tem um impacto de mais de 50 % na planilha de custos dos caminhoneiros. Por isso, eles querem a criação de um subsídio ou a redução da carga tributária, como do PIS e COFINS, que custam13% sobre o valor do diesel e a alíquota do ICMS passa 20%”, disse Bueno. As assembleias tiveram início semana passada questionam também a cobrança de pedágio do eixo levantado quando o caminhão vazio.

Os 120 sindicatos que representam a categoria, associações e cooperativas realizaram assembleias durante toda a semana passada e decidiram pela greve devido à falta de respostas do governo federal a um ofício encaminhado no dia 15 de maio pela entidade, expondo o descontentamento da categoria com os constantes aumentos no preço do óleo diesel e a cobrança de pedágio mesmo quando o caminhão trafega vazio e com um dos eixos eixo suspenso.

 O documento protocolado pela CNTA dia 15 de maio expunha também que a paralização poderia ser evitada assim que o governo abrisse negociação para atender as reivindicações da categoria. Diumar Bueno, destacou ainda que mais de 80% de tudo que é consumido no País seguem pelas rodovias, por isso setor é fundamental para economia. Acrescentou que, sem entrar no mérito da política de composição dos preços dos combustíveis, feito pela Petrobras, o Brasil é basicamente ’’rodoviarista’’, sendo, portanto, o diesel essencial para o setor de transportes e deveria ter valor diferenciado.

O ofício entregue ao governo federal, informou a CNTA, apresenta a insatisfação dos caminhoneiros com o baixo valor do frete e com os prejuízos acumulados há anos, agravada hoje pelos reajustes quase que diários no valor do diesel. A entidade lembrou que o último grande movimento de paralisação realizado pela categoria, em 2015, fez várias reivindicações e apesar de todos os esforços e discussões, poucas medidas foram tomadas, desde então, para resolver essa crise.

Em 2015 o governo federal sancionou a Lei 13.103/15, que suspende a cobrança de tarifa de pedágio dos caminhões vazios que passam com os eixos suspensos nas praças de pedágio, mas a medida só está sendo respeitada pelas concessionárias que administram as estradas federais. Nas rodovias administradas pelos estados, principalmente no do Paraná, São Paulo e em Mato Grosso, as concessionárias continuam cobrando dos caminhões com eixos suspensos e sem carga.

Ainda de acordo com o presidente da entidade, na manhã desta segunda –feira (21/05), a paralisação do transporte de cargas é maior em oito regiões do País. Os motoristas estão parados na Via Dutra, no Rio de Janeiro, em Vitória da Conquista, na Bahia, na BR 101, em Viana no Espírito Santo, na Grande Vitória, na Fernão Dias, Barbacena, Lavras, em Minas Gerais, no Paraná, nos dois sentidos da BR 116, em Quatro Barras, na BR 277, perto de Paranaguá, PR 151 em Castro e PR 090, em Assaí. Em São Paulo o movimento está concentrado na Dutra, Km 160, na Rodovia Anchieta e em Lorena e em Cuiabá, na BR 163, em Rondonópolis e Tangará da Serra, no Mato Grosso.

PARALISAÇÃO ATINGIU MAIORIA DOS ESTADOS

A Paralisação de motoristas de caminhão atingiu vários Estados nesta segunda-feira (21/05). As manifestações acontecem em diversos pontos de rodovias do Brasil. Seguidos aumentos de preço aplicados ao óleo diesel, principal combustível que move os caminhões, é o motivo central do movimento. Entidade que representa a categoria diz que enviou oficio ao governo federal, no último dia 15, apresentando a insatisfação dos transportadores, mas não obteve qualquer resposta.

LOCAIS COM PARALISAÇÃO

Rio Grande do Sul – Três Cachoeiras – BR101 (km 22) – Bloqueio de Pista Lateral

Ijuí – BR285 (km 460) – Sem interrupção do Trânsito

Jaguarão BR116 (km 654) – Sem interrupção do Trânsito

Novo Hamburgo – BR116 (km 234) – Sem interrupção do Trânsito

Arroio Grande – BR116 (611) – Sem interrupção do Trânsito

Turuçu – BR116 (km 482) – Sem interrupção do Trânsito

Camaquã – BR 116 (km 397) – Sem interrupção do Trânsito

Vacaria – BR116 (40.9 e 43) – Sem interrupção do Trânsito

Pelotas – BR392 (km 61) – Sem interrupção do Trânsito

Santa Maria – BR 392 (km 350) – Bloqueio da Pista

Rosário do Sul – BR290 (km 417) – Sem interrupção do Trânsito

Rosário do Sul – BR290 (km 422) – Bloqueio da Pista

Júlio de Castilhos – BR158 (km 263.18) – Sem interrupção do Trânsito

Passo Fundo – BR 285 (km 301) – Sem interrupção do Trânsito

Panambi – BR158 (km 157.8 e 143) – Sem interrupção do Trânsito

Santa Catarina – Os motoristas estão parando os caminhões na SC-437 em frente às Malhas Ferju, sob o viaduto da BR-101. Os manifestantes ainda colocaram fogo em pneus nos dois lados da via, de forma que a fumaça chegava até a rodovia federal. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a paralisação ainda não causa impacto nas rodovias federais e a fumaça em Imbituba não altera a velocidade na BR-101.

Bahia – Manifestantes fecharam vias nas cidades de Amélia Rodrigues, Vitória da Conquista e Itatim. A concessionária ViaBahia informa que um trecho da BR-324, em Amélia Rodrigues, a cerca de 90 km de Salvador, foi interditado no sentido da capital baiana. Na direção contrária, o protesto fecha apenas faixa da direita. Interdições ocorrem também em dois pontos da BR-116: no km 814, em trecho da cidade de Vitória da Conquista, no sudoeste da Bahia, onde os dois sentidos da rodovia estão interditados; e no km 521, trecho de Itatim, também no sudeste do estado. Os manifestantes fecham os dois sentidos da rodovia no local.

Ceará – Um grupo de caminhoneiros bloqueou um trecho da rodovia BR-020 (Avenida Quarto Anel Viário), entre Fortaleza e a cidade de Maracanaú, na Região Metropolitana. Segundo a PRF, caminhoneiros pararam os veículos no acostamento e queimaram pneus na pista. Foi formado um congestionamento de 5 km.

Espírito Santo – Manifestação deixou a BR-101 fechada por cerca de uma hora, no km 301, em Viana, na Grande Vitória. Houve protesto também no km 511 da BR-040, Ribeirão das Neves, na pista em direção à capital mineira. Equipes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) estiveram no local e fizeram acordo com os motoristas para que eles colocassem os veículos no acostamento e liberassem a pista.

Paraná – Na BR-116, em Quatro Barras, na Região Metropolitana de Curitiba, uma das duas faixas sentido São Paulo está interditada no km 67. Manifestantes bloqueiam também uma faixa em cada sentido da BR-277 em Paranaguá, no litoral do Paraná, no quilômetro 6 da rodovia, informa o portal G1.

Paraíba – Protestos foram registrados na BR-104, no sentido Campina Grande-Queimadas. A rodovia está parcialmente bloqueada e sendo liberada apenas para os carros de passeio.

Minas Gerais – Uma faixa da Rodovia Fernão Dias no km 513, em Igarapé, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, foi fechada pelos manifestantes no sentido São Paulo.

Ainda na Grande BH, há protesto no km 511 da BR-040, Ribeirão das Neves, na pista sentido capital mineira. No km 368 da BR-262, em Juatuba, também na Grande BH, a rodovia foi parcialmente fechada durante toda a madrugada. A categoria se manifesta na Região da Zona da Mata, no km 699, em Barbacena, e 808 da BR-040, em Matias Barbosa. Em Oliveira, há protesto no trevo de acesso à cidade (km 617 da Rodovia Fernão Dias).

Paraná – Na BR-116, em Quatro Barras, na Região Metropolitana de Curitiba, uma das duas faixas sentido São Paulo está interditada no km 67. Manifestantes bloqueiam também uma faixa em cada sentido da BR-277 em Paranaguá, no litoral do Paraná, no quilômetro 6 da rodovia. No norte do Estado, na PR-090, na entrada para Assaí, caminhoneiros são proibidos de passar pela rodovia, apenas carros de passeio e ambulâncias têm liberação.

Rio de Janeiro – Os motoristas protestam no trevo da Rodovia Niterói-Manilha e também na altura de Campos dos Goytacazes, no acostamento da pista. Os protestos também acontecem na Via Dutra, altura de Seropédica, na Baixada Fluminense. Às 6h26 desta segunda-feira, o trânsito era intenso na Rodovia Washington Luís, altura de Duque de Caxias. Os caminhoneiros também fazem ato no acostamento do km 274, em Barra Mansa, acompanhados pela Polícia Rodoviária Federal.

São Paulo – Um dos atos ocorre no km 160 da Dutra, em Jacareí, no Vale do Paraíba. Também há mobilização no km 101, em Pindamonhangaba. A passagem é bloqueada nestes dois pontos apenas a caminhoneiros e segue normal para os demais motoristas.

Mato Grosso – Manifestações e bloqueios são registradas na BR-364, no km 396, na região do Distrito Industrial em Cuiabá. A previsão para liberação é às 12h.

Tocantins – Há protestos em avenidas de Paraíso do Tocantins, porém sem relato de congestionamentos.

Goiás – Várias distribuidoras de combustíveis em Goiânia Senador Canedo, na Região Metropolitana, foram fechadas por grupos de caminhoneiros. Além disso, cinco rodovias estão com pontos de bloqueio. São elas:  BR-158, em Caiapônia, BR-153, em Itumbiara, BR-050, em Catalão, BR-040, em Luziânia e BR-020, em Formosa.

Pará – Manifestantes fecharam trechos da BR-316 nas proximidades da Alça Viária, em Belém.

Pernambuco – Faixas da BR-101 Sul estão ocupadas por manifestantes, em Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana do Recife. A PRF estima que aproximadamente 100 caminhões participavam do ato por volta da 10h30.

Rio Grande do Norte

Rio Grande do Norte – Uma das vias da BR-101, sentido Natal/Parnamirim, foi fechada por caminhoneiros. A interdição começou por volta das 10h30 no km 105,8 da rodovia.

Pontos de manifestação de motoristas de caminhão